Timber by EMSIEN-3 LTD
Terça, 09 Abril 2019 10:47

Secretaria de Educação de Toledo alerta sobre "Boneca Momo" Destaque

Escrito por Assessoria
Imagem foi utilizada para incitar a violência como automutilação e suicídio Imagem foi utilizada para incitar a violência como automutilação e suicídio Assessoria

Antes de trazer medo e preocupação aos pais das crianças através de redes sociais, a "Momo" como é conhecida na internet, era apenas mais uma escultura de silicone do artista japonês Keisuke Aiso, exibida numa exposição no Vanilla Gallery, em Tóquio, capital do Japão, em 2016.

No entanto, a imagem da escultura "mulher-pássaro", de aparência assustadora, com olhos arregalados, cabelos pretos e pés de ave foi utilizada para incitar a violência, como a automutilação e suicídio em vídeos voltados ao público infanto-juvenil no YouTube. Anteriormente, os relatos eram de mensagens de terror e intimidação pelo Whatsapp. Contudo, a incitação ao terror não é algo novo, observa-se na atualidade que a disseminação deste tipo de conteúdo tem sido mais abrangente pelo uso da tecnologia. A preocupação chegou à Secretaria da Educação que reforça a atenção dos pais.

Nesta situação, a criança pode se tornar alvo devido a sua vulnerabilidade, que pode estar associada ao medo e também a imaturidade. A criança pode ser chantageada, ou ainda, por conta de sua curiosidade e necessidade de se sentir pertencente a um grupo, pode ser influenciada pelo conteúdo a que está exposta, por não conseguir separar a fantasia da realidade.

Orienta-se aos pais que busquem sempre conversar com os filhos, mas não somente diante de um conteúdo que esteja repercutindo nas mídias, mas sim por meio do trabalho preventivo. O discurso deve se fundamentar no intuito de proteção da criança e não de traumatizá-la, sendo assim, é preciso que os pais estejam dispostos não somente a falar, mas, sobretudo, ouvir.

?Afinal, a partir do momento que se tem consciência dos interesses da criança é que será possível orientá-la. Buscar saber se a criança já ouviu falar sobre o assunto, dando a chance de resposta a ela, fazendo com que se sinta incluída na conversa?, explicam as psicólogas da SMED, Ana Claudia Roos Souza e Janaína Mery Gomes Formighieri.

Fatores que favorecem os riscos a criança

* Falta de trabalho preventivo de orientação familiar com a criança quanto aos perigos que a internet pode oferecer;

* Falta de supervisão e monitoramento dos pais/responsáveis quanto ao tempo e tipo de acesso durante o uso de aparelhos tecnológicos;

* Falta de diálogo durante uma ocorrência, desqualificando os comportamentos/sentimentos da criança diante do fato ou evitando falar sobre o assunto;

* Permitir ou não ter conhecimento de que pessoas desconhecidas ou público em geral estão adicionando a criança ou ainda tendo acesso a suas publicações e informações pessoais.

Como os pais podem proteger os seus filhos?

* Estar alerta quanto às mudanças de comportamento da criança;

* Manter os computadores e os dispositivos móveis em locais seguros, e ao alcance do acompanhamento de um adulto e estabelecer limite sobre o tempo de duração de uso diário;

* Permitir somente o acesso a conteúdos conforme a classificação de acordo com idade e compreensão de seus filhos;

* Conversar sobre valores familiares e construir uma relação de confiança, afinal os cuidados dos pais prezam pela proteção da criança e não da invasão de privacidade;

* Quando a criança estiver em situação de risco ou sentir-se insegura, ouça o seu relato e a oriente sem julgamentos.

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br
(67) 99913-8196
Lucas Bertoletti
Email: lucas@douranews.com.br
(45) 99931-7131

Rua Guaíra , 1917
Jardim Pancera – Toledo - PR
CEP 85902-192
E-mail: jornaldetoledo@gmail.com